Com Apoio

Farmacia Martins

Terapia de Rotações

Rotações

Nas terapias de orientação antroposófica podemos abordar o ser humano de diferentes ângulos de visão. Tanto nas dimensões da sua individualidade e da sua vida emocional, como também nas da sua vitalidade ou da sua constituição física.

A terapia de rotações abarca o ser humano ao nível da dinâmica que envolve a funcionabilidade das funções vitais. Cada indivíduo para poder desenvolver, em harmonia, a sua individualidade deve ter um corpo físico em equilíbrio entre as forças espirituais e as forças vitais-terrenas. O desenvolvimento humano, ao contrário do dos animais, depende do exercício constante de todas as funções corporais para que elas possam amadurecer e atingir os seus fins.

Por outro lado, sabemos também que segundo uma lei fisiológica:

Não se deve exercitar aquilo que ainda não está pronto,

com isto queremos dizer que a criança apenas nos vai mostrando as suas capacidades de movimento à medida que este sistema está pronto para o exercício de cada uma delas. Estamos a falar em desenvolvimento e das relações neurológico-motoras. À medida que a criança cresce, impulsionada pela grandiosa capacidade de imitar e baseada na maturidade do sistema neurológico, depois de ser capaz de se voltar na cama e de ficar a quatro, de repente começa a gatinhar e, de uma hora para outra, adquire a postura ereta e põe-se a andar. E isto é assim com todas as outras funções de movimento. Uma determinada função motora para que possa ser executada vai depender das suas etapas de amadurecimento anteriores. Acontece o mesmo em todos os âmbitos da vida humana: uma criança de 2 anos não tem desenvolvidas as capacidades para fazer cálculos exponenciais, nem uma garota de 10 anos consegue dançar o tango com todo o sentimento que é exigido. Tudo tem o seu tempo de maturação.

Vários distúrbios no âmbito da aprendizagem, bem como na função motora fina, na leitura, no escrever, ao fazer desporto, quando toca um instrumento, na capacidade de trabalhar frustrações e na clareza objectiva do pensamento, dependem em grande parte do Homem-Motor. Ou seja, dependem do desenvolvimento adequado da musculatura que deve estar constantemente em situação de eutonia, nem de contração, nem de relaxamento. Claro que não dependem somente do equilíbrio muscular de hiper e hipotonicidade, mas também de diversos outros fatores que envolvem a complexidade dos sistemas neurossensorial, rítmico e metabólico-motor.

A presença de reflexos congénitos ativos podem ser uma das causas do desequilíbrio de diversas funções motoras, tendo consequências tanto no âmbito do movimento como no das emoções e da capacidade de abstração.

Este é um dos aspectos que se tem em conta na Terapia de Rotações. Esta Terapia que está baseada no desenvolvimento harmonioso do Sistema Nervoso e do Sistema Muscular vai acordar, de maneira rítmica, o modelo arquetípico funcional do ser Humano, dando-lhe a capacidade de se sentir em bem estar. Ou seja, de estar em eutonia e de poder assim corrigir por si próprio, as distorções e disfunções que se estabeleceram por uma causa ou outra. Trata-se da execução, de modo repetitivo, de movimentos corporais e da sua consciencialização. Não depende nem de aparelhos, nem de grandes centros terapêuticos, uma vez que são executados no seio do ambiente familiar. Sozinho, no caso dos adultos; as crianças têm de ser acompanhadas por um responsável ou por um dos progenitores.

A característica rítmica dos exercícios fornece o alimento necessário ao corpo etérico e ao sistema rítmico. As posturas em equilíbrio (direita e esquerda, contração e expansão), dão ao corpo astral o modelo de funcionamento equilibrado. A aplicação da terapia no núcleo familiar protegido, além de valorizar as capacidades de auto-cura, auto-estima e auto- aceitação do indivíduo, não o expõe à situação frustrante de se sentir diferente dos outros.

Esta Terapia nada mais faz do que repetir o que a Natureza, na sua sabedoria, já faz com todos nós ao tentar repor o equilíbrio que a nossa sociedade moderna rompe devido a diversos factores que se encontram em desarmonia.

Foi desenvolvida, na Alemanha, pelos estudos e experiência profissional da Dra. Bartel e pode ser aplicada em diferentes situações em que se diagnosticar um desequilíbrio entre as forças de hipertonia e hipotonia do aparelho motor.

Dentro da visão antroposófica terapêutica podemos abordar o ser humano de diferentes maneiras. Seja pelo aspeto da sua individualidade, da sua vida de emoções, da sua vitalidade, da sua construção física, como sob o aspeto funcional uma vez que a terapia de rotações abrange o ser humano na dinâmica que envolve a funcionalidade das funções vitais.

Sabemos que o indivíduo, para poder exercer a sua individualidade de maneira harmónica, deve abrigar um corpo físico pleno de equilíbrio entre as forças espirituais e as forças vitais-terrenas. Sabemos também que o desenvolvimento humano, ao contrário do dos animais, depende do exercício constante de todas as funções corporais para que elas amadureçam e se coloquem à disposição da função desejada. Sabe-se ainda que é uma lei fisiológica: “ Não se deve exercitar aquilo que ainda não está pronto”. Com isto queremos dizer que a criança mostra-nos as suas capacidades de movimento à medida que o sistema de movimento está pronto para exercer determinado movimento. Estamos a falar do desenvolvimento e das relações neurológicas-motoras.

À medida que a criança cresce ela começa, impulsionada pela grandiosa capacidade de imitar e baseada na maturidade do sistema neuronal e depois de rolar na cama, a ficar de quatro, gatinhar de repente, de uma hora para a outra adquire a postura ereta e passa a andar. Assim é com todas. Uma determinada função motora vai depender de passos de amadurecimento para poder ser executada. Assim é em todos os âmbitos da vida humana - uma criança de 2 anos não tem as capacidades desenvolvidas para fazer cálculos exponenciais, assim como uma garota de 10 anos não consegue dançar o Tango na sua plenitude sentimental. Tudo tem o seu próprio tempo.

Vários distúrbios no âmbito da aprendizagem, bem como na função motora fina, a leitura, o escrever, o fazer desporto, tocar um instrumento, a capacidade de trabalhar frustrações e a clareza objetiva do pensar, dependem de uma parte do Homem-motor. Ou seja, depende do desenvolvimento adequado da musculatura que deve estar constantemente em situação nem de contração, nem de relaxamento, mas em eutonia. É claro que depende não somente do equilíbrio muscular de hiper e hipotonicidade mas, claro, também de diversos outros fatores que envolvem a complexidade dos sistemas neuro-sensorial, rítmico e metabólico motor. A presença de reflexos congénitos ativos pode ser uma causa do desequilíbrio de diversas funções motoras levando a consequências, tanto no âmbito do movimento, como das emoções e da capacidade abstrativa. Este é um aspeto que é levado em conta na Terapia de Rotações.

Esta terapia, baseada no desenvolvimento harmónico do Sistema Nervoso e do Sistema Muscular, vai de maneira rítmica acordar o modelo arquetípico funcional do ser Humano, dando-lhe a capacidade de sentir-se em bem estar, ou seja em eutonia e assim, por si próprio, corrigir as distorções e disfunções que se estabeleceram por uma outra causa. Trata-se de movimentos corporais de consciencialização destes movimentos de modo repetitivo que não dependem de aparelhos ou grandes centros terapêuticos, mas que são feitos no núcleo familiar. No caso do adulto sozinho e, no caso das crianças, acompanhadas por um responsável ou por um dos progenitores.

A característica rítmica dos exercícios dá o alimento necessário ao corpo etérico e ao sistema rítmico. As posturas em equilíbrio, direita e esquerda, contração e expansão, dão ao corpo astral o modelo de como ele deve funcionar em equilíbrio. A execução da terapia num sítio protegido, familiar, não expõe o indivíduo à questão frustrante de se sentir diferente, além de valorizar as suas capacidades de auto-cura, autoestima e auto-aceitação.

Esta terapia nada mais faz do que repetir o que a natureza na sua sabedoria já faz com todos e que, pelos fatores desarmónicos da nossa sociedade moderna nos podem colocar em desequilíbrio.

A terapia de rotações foi desenvolvida através de estudos e experiência profissional pela Dra Bartel, na Alemanha, e pode ser aplicada em diferentes situações onde se diagnostica um desequilíbrio entre as forças de hipertonia e hipotonia do aparelho motor.

Podemos obter mais informações acerca do Método Rotações em www.rota-therapie.de

No EPHESUS Therapeutikum, no âmbito da nossa equipa terapêutica, adotamos, entre outras, esta terapia, principalmente no atendimento de crianças que apresentam distúrbios de desenvolvimento e de aprendizagem e também no tratamento de diversas situações de desequilíbrio físico-anímico.